sábado, junho 23, 2007

Humor!


Um pirralho estava brincando pelo apartamento com um destes balõezinhos de festa de aniversário.

Chutava prá cá, chutava prá lá, até que o balão acabou entrando no banheiro e foi cair justamente dentro da privada.

Ele chegou, espiou a bola molhada, ficou com nojo e deixou a danada ali mesmo.

Pouco tempo depois seu pai entrou para se "desocupar" e nem notou a bola.

Ficou ali, lendo, enquanto fazia o serviço. Ao terminar, olhou horrorizado para o vaso sanitário. Suas fezes haviam coberto o balão e a impressão que se tinha era de um imenso, um absurdo, um gigantesco bolo fecal!

Sem acreditar naquilo, ligou dali mesmo, pelo celular, para o seu amigo que era médico:

- Geraldo, eu enchi a privada de bosta.

... nunca vi tanta assim na minha vida!

... tá quase passando do limite do vaso!

... acho que eu devo estar com um algum problema sério!

- Que isso, Anselmo, cê tá exagerando!

- Que exagerando, o quê, meu!!! Eu tô olhando pra esse "merdel" todo agora! É um absurdo ! Eu devo estar doente!!!

- Bom, eu já tava indo pra casa; aproveito e passo aí que é caminho!

O médico chega e vai direto ao encontro do amigo, que estava na porta do banheiro esperando.

- Olá, Anselmo, cadê o negócio que vo... NOSSA MÃE DO CÉU!!! O que é isso??! O que você comeu, uma criatura?!

- Não falei?! Agora tá acreditando, né?!

- Nossa! Isso é inacreditável!

- E então, será que eu tenho algum problema sério?!

- Olha, o melhor é eu pegar uma amostra desse cocozão e mandar para análise!

O médico saca uma pequena espátula e um frasco esterilizado de sua maleta.

Quando espeta o "bolo de merda" para coletar uma amostra do material..., BUMMM!!

A bexiga estoura e voa merda pra tudo que é lado!

Seguem-se instantes de absoluto silêncio.

Os dois, embosteados, se olham e, estupefato, o médico berra:

- Puta que o pariu! Eu achava que já tinha visto de tudo nesta vida, . mas peido com casca, nunca vi !!!!!

quinta-feira, junho 07, 2007

Os Dez Mandamentos da Mulher

1 Não me contrariarás durante uma briga, por mais que eu não tenha razão.

2 Não reclamarás do tempo que eu demoro para me arrumar. Lembre-se que me ter linda e maravilhosa do seu lado tem um preço.

3 Não broxarás ou negarás fogo. Só eu tenho o direito de ter dor de cabeça.

4 Não concordarás que eu estou gorda, quando eu resolver te perguntar.

5 Não falarás de nenhuma ex-namorada. Quanto às histórias e aos momentos marcantes que você já viveu com elas, é muito simples... ESQUEÇA!!! Prefiro pensar que você é virgem e que, se já beijou alguma mulher na vida, foi uma coisa muito sem graça.

6 Não implicarás com meus decotes e saias curtas. Não importa pra quem eu mostro meu corpo se quem usufrui é você!

7 Terás quantas amigas quiser. Desde que todas elas sejam gordinhas, vesgas e manquem de uma perna.

8 Não chorarás nem chamarás a polícia se um dia eu encontrar você com outra e quebrar a sua cara. Estarei no meu direito. Considere-se um homem de sorte se sobreviver.

9 Não trocarás o meu nome ou eu te troco por um cara com o dobro do seu tamanho. Nos dois sentidos.

10 Bloquearás todas as ex-namoradas e amigas bonitinhas no MSN. Se algum dia uma menina te adicionar com terceiras intenções, seja enfático: mande a vaca sumir porque você já tem dona! VOCÊ JÁ TEM DONA, ENTENDEU!?

sexta-feira, junho 01, 2007

Para se pensar...

Caminhei muito. Encontrei pessoas "sim" e pessoas "não". Gente sorriso e gente sisuda. Poucas meio termo. Todas chamaram a minha atenção e registraram sua passagem conforme suas características. Aprendi o bastante, mas não o suficiente, com cada uma delas. Fui avaliando os detalhes e catalogando as diferentes nuanças, num exercício de vida, que não pude evitar. De uns tempos para cá, tenho refletido sobre um aspecto que me escapou nos pormenores.... É o que se refere ao amor. Existem pessoas que amam e outras que se deixam amar. Parece trocadilho ou, então, inversão de idéias. Asseguro que não se trata de antítese ou metáfora. É a realidade constante, e pouco percebida, das relações afetivas do ser humano. Comecei a montar o quebra-cabeças quando revi pedaços da minha própria trajetória de relacionamentos. Fiquei pasma da quantidade de peças que se encaixaram nessa constatação, de que uns amam e outros se deixam amar. Nossa!

Os que amam se destacam dos que se deixam amar por várias particularidades. Tentar enumerá-las é enveredar por um misterioso universo e, como não tenho o mapa da mina, fica complicado demais. Mas sempre é oportuno assinalar alguns pormenores para esclarecer aos que, também, chegarem a essa conclusão. Quem ama acende a luz e mostra o rosto; quem se deixa amar fica na penumbra e disfarça a fisionomia. Quem ama abre os braços e abre a guarda; quem se deixa amar esquiva-se e esconde-se detrás de armaduras. Quem ama não foge à luta e encara o perigo; quem se deixa amar nunca entra em briga e nem omite opiniões. Quem ama fala, canta, assovia, gesticula; quem se deixa amar faz silêncio entre um murmúrio e outro e se move como sombra. Quem ama sabe; quem se deixa amar desconhece.

Quem ama adivinha; quem se deixa amar omite. Quem ama faz "das tripas, coração" e desempenha o papel com o melhor de si; quem se deixa amar assiste da coxia e, raras vezes, aplaude. Entre amar e se deixar amar está a incompreensão das relações amorosas. Um oferece e o outro recebe. O equilíbrio, o prumo, o fiel da balança é raramente encontrado. Relação de troca? Pode ser! Mas é uma troca desleal e injusta. O que se vê por aí é desencontros e mal-entendidos. De um lado aquele que ama e do outro o que se deixa amar e no meio um vazio de fazer medo. Solidão a dois, sem dúvida.

E... sempre aquele que ama paga o ônus da festa. O que se deixou amar sai ileso e deita a cabeça no travesseiro para mais uma noite de descanso. Afinal, amanhã encontrará alguém que o ame e, então, se deixará amar do alto da sua indiferença e pretensa imunidade. Aquele que amou, continuará amando, independente do troco.
(Maria Alice Estrella)